Na hora de decidir se é caso ou não de cirurgia ortopédica, eu levo em conta um princípio básico: só fazê-la se houver algum benefício para o paciente