A infecção óssea pode ocorrer quando há fratura exposta do osso ou em casos de cirurgias para colocação de prótese. Seus sintomas incluem vermelhidão, inchaço, secreções e, o principal deles: dor.

 

Em caso de pacientes que usam prótese, a infecção pode surgir entre os três primeiros meses depois da cirurgia e um ano. É possível ainda, que a inflamação se manifeste após os primeiros doze meses da cirurgia.

 

O diagnóstico é feito por meio de uma avaliação clínica e exames laboratoriais. Um deles é a punção, quando é retirada uma amostra do líquido presente na região inflamada do paciente e encaminhada para análise. O resultado deve apontar qual a bactéria que está alojada ali.

 

Quando o médico descobre o tipo de bactéria que está causando a infecção, ele pode finalmente prosseguir com o tratamento, que pode ser uma cirurgia em um ou dois estágios.

 

E vale sempre lembrar: pacientes com prótese devem obedecer rigorosamente o cronograma de retorno ao consultório após a cirurgia: cinco dias, 45 dias, três meses, seis meses e um ano.

 

Depois, as revisões devem ocorrer anualmente. As consultas de revisão são para identificar se há dor ou alguma alteração na prótese. Caso haja, o ideal é que seja descoberta logo no início. Um diagnóstico precoce pode evitar grandes intervenções e até deformidades.