O tratamento para infecção óssea é, em geral, cirúrgico. Não se deve entrar com antibiótico antes da cirurgia porque o medicamento mascara a situação e dificulta a identificação da bactéria que está atacando o paciente. 

 

A infecção ortopédica é um campo muito específico dentro da ortopedia e é importante que o paciente procure um profissional especializado no assunto.

 

Leia também: Conheça os sintomas de uma infecção óssea

 

Um protocolo de tratamento de infecção ortopédica, quando bem conduzido, dá aos pacientes mais de 90% de chance de cura. Diminuem-se os gastos, as intervenções no corpo e o tempo de tratamento.

 

Os tipos de cirurgia para tratar infecção óssea

 

Existem dois tipos de cirurgia para tratamento de infecção óssea: a de um estágio e a de dois estágios.

 

Dois estágios:

É mais demorada. Nela, retira-se a prótese e deixa o paciente com ou sem espaçador. O material colhido é enviado a um laboratório para que seja identificado o tipo de infecção. Enquanto isso, o paciente fica com limitações por cerca de um mês e meio e fazendo uso de antibióticos. Após esse período, caso haja condições, uma nova prótese é colocada.

 

Um estágio:

A cirurgia de um estágio, por sua vez, vem se popularizando no Brasil e surge como uma alternativa mais vantajosa para os pacientes, já que tudo é feito numa única operação. Nela, retira-se a prótese infectada, faz-se a remoção de toda a área comprometida e coloca-se uma nova prótese.

 

Após o procedimento, o paciente é submetido ao uso de antibióticos, mas por muito menos tempo – 15 dias, em média. É preciso esclarecer que as duas técnicas têm resultados semelhantes, mas a de um tempo é mais vantajosa por reduzir o sofrimento do paciente.